Região - Praia do Forte

Antigo vilarejo de pescadores, com belas praias, piscinas naturais, coqueirais, lagoas, cachoeiras, trilhas e reservas ecológicas, Praia do Forte é um destino imperdível para quem vai fazer turismo na Bahia. A charmosa Vila repleta de belas lojas, cafés, bares e restaurantes é o principal point para os visitantes que chegam de diversas partes do mundo para conhecer o local.

Localizada na Costa dos Coqueiros, litoral norte da Bahia, a 56 km do Aeroporto Internacional de Salvador, a 75 km da Estação Rodoviária e a 80 km do Centro Histórico de Salvador, Praia do Forte possui uma excelente infraestrutura que permite acomodar bem seus ilustres visitantes.

Sua estrutura hoteleira é excelente com mais de mil leitos que vai desde resorts a hotéis e pousadas de alta categoria, além dos albergues, campings, flats, casas e apartamentos para alugar. Possui uma gastronomia da melhor qualidade, lojas de grife, história marcante, cultura forte, passeios ecológicos e muitos esportes náuticos.

Região - Praia do Forte

Destacamos como principais serviços de apoio ao turista: bancos, postos de saúde, farmácias, consultórios médicos e odontológicos, academias de ginástica, pilates, transportes (boa rodovia, ônibus, taxis), aeroporto (pista de pouso), agência de correios, agências de viagens, locadora de veículos, de vídeos, lan house, wine house, massagens, receptivos, entre outros. Isso sem falar na hospitalidade do morador chamado de "nativo". Este sim o seu maior patrimônio.

Região - Praia do Forte

O lugarejo, como é carinhosamente conhecido, possui boa estrutura urbana com saneamento básico de qualidade, sinalização, plano diretor, políticas públicas, incluindo escolas, creches, coleta seletiva do lixo, empregos diretos para população local e muitos projetos de responsabilidade social, desenvolvidos por empresários locais.

Economia bem resolvida, seu parque hoteleiro, moradores, veranistas e visitantes adquirem os gêneros de todas as necessidades do comércio local. Segurança é um item importante já que a localidade tem um índice pequeno de ocorrências policiais. Moradores e visitantes transitam tranquilamente qualquer hora do dia e da noite. Praia do Forte é auto-suficiente!

Um dos principais pontos turísticos da Praia do Forte é a majestosa ruína da Casa da Torre de Garcia D´Ávila. Um dos principais monumentos do patrimônio histórico e cultural brasileiro, considerado a primeira grande edificação portuguesa no Brasil.

Começou a ser construído em 1551, por Garcia D´Ávila, que chegou à Bahia em 1549, com o primeiro governador geral, Thomé de Souza, no cargo de almoxarife da coroa real.

A Casa da Torre se destacou na história da colonização e defesa do Brasil durante mais de três séculos. Em 1835, com a extinção do regime dos morgados, o castelo foi abandonado e tornou-se uma grande ruína. Em 1938, foi finalmente tombado pelo Iphan.

A Capela de São Pedro dos Rates é a parte mais antiga da edificação do histórico Castelo Garcia D’Ávila, considerado a primeira edificação portuguesa de arquitetura residencial militar no Brasil. Atualmente chamada de Capela de Todos os Santos, deu origem á sede, concluída somente em 1624, em Praia do Forte. Em meados do século XIX, já se apresentava em ruínas.

Instituto Baleia Jubarte

Criado em 2000 com o objetivo de monitorar e fazer a conservação das baleias jubarte em águas brasileiras, o Instituto com sede em Praia do Forte é constituído por uma equipe de biólogos preparados para receber esses ilustres visitantes, que chegam da Antártida fugindo das águas frias no período de julho a outubro. Praia do Forte se tornou uma área de concentração e reprodução desses mamíferos.

Durante a “baleiada”, atividade desenvolvida para avistagem desses animais em alto mar, os visitantes tem a oportunidade de observar belas acrobacias com baleias que chegam até 16 metros de comprimento e 40 toneladas, um verdadeiro espetáculo da natureza na costa baiana.

Antes do passeio, são ministradas palestras, onde é possível obter informações sobre o mamífero, como hábitos, comportamento e curiosidades. Dentro do Instituto Baleia Jubarte também se encontra um museu disponível para visitação. O Instituto funciona atende apenas grupos previamente agendados.

A ideia de avistar de perto o comportamento surpreendente das baleias jubarte em paraísos como Abrolhos e Praia do Forte tem conquistado turistas de todo o mundo. Uma aventura cheia de encanto, o turismo de observação de baleias (whalewatching) vem crescendo em todo o planeta como consequência direta do fim das atividades de caça e do aumento gradual da população de jubartes. A causa é nobre: sensibilizar a população, por meio da avistagem das baleias em alto mar, para a importância da conservação da espécie.

Entre as vantagens estão mínimo impacto ambiental; caráter educativo; renda para locais remotos ou de pouca atividade comercial; incentivo ao setor hoteleiro e turístico; geração de empregos; contribuição para pesquisa científica e sensibilização da população para o desenvolvimento sustentável. Se por um lado o turismo de observação é uma eficiente ferramenta de conservação das baleias, agregando valor econômico à sua proteção, por outro lado é preciso que a atividade seja mantida sob constante monitoramento e rígida fiscalização, para que não ocorram perturbações indevidas aos animais - ainda mais que, na maioria das vezes, o turismo é feito em áreas de reprodução.

No Brasil, a prática é regulamentada por uma Portaria do IBAMA que estabelece normas para prevenir e coibir o molestamento intencional de cetáceos em águas jurisdicionais brasileiras.

O Projeto Baleia Jubarte monitora estes passeios, conscientiza operadores e guias para a importância de se respeitar as regras que garantem o bem-estar das jubartes e também de outras espécies marinhas e recebe, na Praia do Forte, turistas em seu Centro de Visitantes para uma palestra educativa, com informações e curiosidades sobre as jubartes.

Projeto Tamar

O Projeto Tamar trabalha na pesquisa, proteção e manejo das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no Brasil, todas ameaçadas de extinção.

Todos os anos, entre setembro e março, esses animais chegam para desovar na Praia do Forte e em outros pontos da costa brasileira. Mais de 50% dos ninhos protegidos pelo Tamar no Brasil ocorrem em praias baianas. O litoral norte da Bahia é a principal área remanescente de desova de tartarugas-cabeçudas e tartarugas-de-pente no Atlântico Sul.

Também ocorrem desovas de tartarugas-oliva e, em menor número, de tartarugas-verdes. O Centro de Visitantes (CV), ao redor do Farol Garcia D’Ávila, foi criado em 1982 e mostra o que o Tamar faz para proteger as tartarugas marinhas através de sensibilização e educação ambiental. O CV e a loja são estruturas de geração local de emprego, renda e arrecadam recursos para as ações de conservação do Projeto. Uma programação cultural para a população local e visitantes acontece periodicamente.